Resenha – Fazendo as pazes com o corpo
Resenha – Fazendo as pazes com o corpo

Se conhecer e se amar não são coisas simples para quem teve a autoestima ferida durante anos. Receber um bombardeio de informações de todos os lados, dizendo que as mulheres precisam se encaixar em um molde de perfeição inalcançável, usando todos os meios possíveis e impossíveis. Eu fui e ainda sou uma pessoa que não consegue amar ou ao menos suportar o que vê refletido no espelho e ler o livro Fazendo as pazes com o corpo, trouxe um fio de esperança: de me amar novamente.

Daiana Garbin é jornalista e trabalhou durante alguns anos na Globo como repórter, durante toda sua vida, desde quando era criança, ela tinha conflitos sobre sua imagem. Ela relata no livro quando foi o primeiro momento que se comparou com outras meninas e “caiu a ficha” de que ela não era pequena como elas.

Ela descreve, além do seu problema de autoestima, como passou a usar remédios, dietas restritas e cirurgias plásticas para alcançar, o que na sua cabeça, era o corpo perfeito. Muito além de ser somente uma autobiografia, o livro traz questões sérias de distúrbios de imagem e alimentares, a relação com a comida e todo seu estudo sobre o assunto, com especialistas das áreas da nutrição, psicologia e psiquiatria.

Em 2016 abandonou seu emprego como repórter e passou a se dedicar ao canal Eu Vejo, no Youtube, trazendo entrevistas e depoimentos sobre distúrbios alimentares e psicológicos que podem afetar diretamente o comportamento das pessoas em relação à comida e autoimagem. Com isso, Daiana não só compartilhou sua vivência em meio a remédios e demais medidas radicais e não-saudáveis para emagrecimento excessivo, como também trouxe apoio médico e a chance das pessoas que se sentiam sozinhas, encontraram coragem de pedir ajuda e, muitas vezes, se salvarem de situações de risco.

“Precisamos falar sobre como nos sentimos em relação à comida e ao nosso corpo. Precisamos de pessoas que nos ajudem e não nos julguem. Não podemos mais viver escondidos por causa da vergonha, porque quando ela se torna um estilo de vida, o sofrimento é certo”
Pág 71


O livro é como uma extensão do seu trabalho no Youtube. É uma maneira de imergir por completo no autocuidado e como se redescobrir para voltar a se amar. Como a autora pontua por diversas vezes ao longo do livro, é um exercício diário, com momentos bons e outros nem tanto, mas é preciso exercitar seu olhar e a maneira de receber críticas, mesmo que implícitas sobre sua aparência.

“Ocupe seu corpo. Pegue-o de volta. Volte a morar nele. Cuide dele. Goste dele”
Pág 128

Depois da leitura, me senti compreendida e, acima de tudo, passei a prestar mais atenção nos pensamentos tóxicos que tinha sobre mim mesma. Como ela disse, ainda tenho dias ruins e outros muito bons, mas comecei a prestar mais atenção nas coisas positivas, ao invés de instigar as negativas. Isso tem me ajudado aos poucos e acredito que a leitura deste livro pode ajudar muitas pessoas que estão enfrentando uma guerra contra si mesmo e machucando o próprio corpo, seja com dietas loucas, excesso de atividade física ou com problemas sérios de distúrbios alimentares.

Além do livro, acompanhe o canal da Daiana no Youtube, seu conteúdo é muito rico. E se você está enfrentando problemas com seu corpo, não hesite em procurar ajuda médica. Sua saúde e seu bem-estar importam muito mais do que vestir uma calça 36.